A maioria das propriedades leiteiras enfrentam, atualmente, diversos problemas relacionados à qualidade, principalmente à reprodução. Alternativas para suprir a demanda energética são fundamentais para uma boa produção, a qual deve atender às necessidades de energia, conter níveis adequados de proteínas, vitaminas e minerais. Qualquer desequilíbrio na dieta pode levar à diminuição no desempenho produtivo e reprodutivo, impactando nos índices econômicos.

As vitaminas estão presentes nos alimentos em pequenas quantidades, sendo essenciais na nutrição de vacas leiteiras, pois participam de diferentes processos na manutenção da saúde, crescimento e reprodução. A suplementação vitamínica garante uma melhor resposta ao potencial leiteiro, auxiliando na manutenção do estado clínico, prevenindo doenças como a mastite e outras enfermidades comuns no período.

A vitamina A é um nutriente fundamental para a integridade da mucosa dos animais e de seu aparelho reprodutivo, participa da transformação dos hormônios reprodutivos e desempenha papel importante no desenvolvimento do sistema nervoso e imunológico. Sua carência desenvolve problemas em vários sistemas, principalmente produtivo e reprodutivo; como a atrofia dos ovários com baixa na taxa de ovulação e de fecundação, além de problemas de ciclo estral e retenção de placenta. A intoxicação pela vitamina A não representa um problema em condições práticas, pois ela não ocorre em plantas e sim os seus precursores.

O betacaroteno é a fonte mais abundante de vitamina A natural. São pigmentos naturais encontrados em plantas e responsáveis pelas cores vibrantes de algumas frutas e legumes, como a cor laranja da cenoura, o vermelho do caqui, e o amarelo intenso da manga. Uma vez ingerido, o betacaroteno é convertido em vitamina A de acordo com sua necessidade, ou agir como um antioxidante para ajudar a proteger as células dos efeitos nocivos dos radicais livres. O betacaroteno desempenha um papel importante como antioxidante, eliminando os radicais livres. A vitamina A também é responsável pelo desenvolvimento de tecidos epiteliais, auxiliando na formação da melanina, na melhora da pele e no bom funcionamento da visão.

Betacaroteno se acumula nos ovários e faz parte do processo de síntese de hormônios, como estrogênio e progesterona, que são importantes para ovulação e proteção do embrião. Devido a isso, a suplementação com betacaroteno aumenta a taxa de concepção e reduz o número de aborto.

Uma dieta que supra as exigências vitamínicas deve ser uma preocupação tanto para o pequeno como para o grande produtor, pois desequilíbrios nas exigências nutricionais podem gerar prejuízos de grandes proporções dentro da propriedade como a redução na produção leiteira e em situações mais graves podem até levar à perda do animal. Sendo assim, a suplantação de complexos vitamínicos é fundamental para ter um melhor aproveitamento do potencial dos animais dando condições de saúde para atender aos processos fisiológicos em todas as etapas no sistema de produção.